quarta-feira, 6 de abril de 2016

COISAS DE BRASIL

Os membros da comissão especial do impeachment estão reunidos na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (6). O relator, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), fará a leitura do parecer final de seu relatório. O deputado já adiantou antes da sessão que seu parecer é favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.
O início da reunião foi marcado pelo bate-boca entre advogados de defesa da presidente e deputados favoráveis ao impeachment. Os advogados tentaram apresentar questões de ordem, mas foram impedidos pelo presidente do colegiado, deputado Rogério Rosso (PSD-DF). Rosso explicou que o Regimento Interno na Câmara autoriza somente deputados da comissão apresentarem questão de ordem. Ele, no entanto, permitiu que os advogados permanecessem na reunião.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

SETOR METALÚRGICO DE ANGRA PODE DEMITIR ATÉ FEVEREIRO 2 MIL

A  audiência pública, na Câmara Municipal, relativa ao setor naval reuniu centenas de pessoas, incluindo autoridades políticas, lideranças sindicais e moradores do município. O presidente da Comissão de Economia da Alerj, deputado Waldeck Carneiro, representou o Legislativo estadual e declarou que as negociações com o governo federal terão de ser acompanhadas de perto.
– Temos que acompanhar as negociações com o BNDES, para que a promessa feita pelo Ministério de Minas e Energia não se perca. Apesar da luz no fim do túnel que se abre com a perspectiva da participação do BNDES, não podemos nos dispersar. Precisamos de imediato trazer o BNDES para a mesa de discussões – destacou Waldeck.

sábado, 31 de outubro de 2015

PASSAGEM DE ÔNIBUS EM ANGRA

ANGRA TEM UMA DAS PASSAGENS
 MAIS CARA DO PAÍS



Pegou todo mundo de surpresa o aumento da passagem de ônibus em Angra. As passagens de ônibus da Viação Senhor do Bonfim foram reajustadas, o que provocou indignação aos moradores. O aumento no valor da tarifa de todas as linhas foi publicado no Boletim Oficial. Comentou nas ruas da cidade em uma possível manifestação com paralização da BR101 pela população, na Avenida Mário Covas. A tarifa A passou de R$ 2,75 para R$ 3. Para quem tem Cartão Passageiro Cidadão, subiu de R$ 1 para R$ 1,05. A tarifa B passou de R$ 3,30 para R$ 3,60. Para quem tem Cartão Passageiro Cidadão, subiu de R$ 1,15 para R$ 1,25. Já a tarifa C, que hoje custa R$ 4,30 passou para R$ 4,70. Corresponde a essa tarifa somente o 227 - Expresso Parque Mambucaba. Nessa linha não é aceito o Cartão Passageiro Cidadão. Com desgaste, o governo tenta agora amenizar a situação de mal-estar deixada pelo aumento da passagem. A ideia segundo servidores que trabalham diretamente  na cúpula do governo, é investir em publicidade positiva com a vinda da faculdade de medicina para Angra. Desviar o foco.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

POLÍTICA EM 2016

Depois de viver em 2006 a experiência de coordenar minha primeira campanha para dep. Estadual e federal; depois de assumir a presidência do PSDB em 2010; depois de assumir a primeira secretaria do PR em 2012 a convite do então presidente, o ex-dep.  Aurélio Marques, o mesmo sob a alegação de manter sua candidatura a prefeito; depois de assumir  como primeiro secretário do PSC, vou viver, a convite, a uma história focada no projeto político para a cidade em 2016. Fico feliz pelo convite e peço a Deus que abençoe até mesmo os meus adversários. Sem me preocupar com o que falam ou com os que criticam. Estou focado naquilo que quero e estou certo de estar pronto para o papel que almejo.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

MENINOS POBRES DO BRASIL

O ódio e a guerra aos meninos pobres do Brasil

Os meninos jovens e pobres não preocupam as elites políticas, apoiadas numa opinião pública envenenada pela manipulação da mídia privada.

por Emir Sader em 18/06/2015 às 07:32




Emir Sader
De volta ao Brasil depois de muitos anos fora – que incluíram toda a década de 1970, portanto grande parte da ditadura –, o que mais me impactou foi uma cena que vi na televisão. Não me lembro se era uma propaganda ou um ficção. Uma mulher caminhava por uma rua deserta, à noite, com pouca iluminação, quando na direção oposta vem um menininho negro.
 
À reação espontânea de se debruçar sobre o menino, perguntando onde ele mora, onde ele estava indo naquela hora, como se ele chama, etc, se contrapôs um atitude nova. A mulher se apressa  em cruzar a rua e se distanciar do menino, com evidente medo e pânico mesmo de ser assaltada.
 
Me dei conta ali que algo de muito profundo tinha mudado no Brasil com a ditadura. Ao invés de gerar piedade, atenção, cuidado, o menino pobre era sinal de perigo. Os meninos pobres do Brasil estavam incorporados às classes perigosas, aquelas que representam risco para a propriedade, para a integridade física dos que possuem bens e se sentem vítimas possíveis de assaltos.
 
A aprovação, numa comissão da Câmara, da diminuição da idade de maioridade penal, é uma continuação e consolidação daquela atitude. Neste caso, a maioria dos deputados ouve falar de menino pobre e não cruza a rua, mas saca o revolver.
 
Assim as “elites” políticas, eleitas com o financiamento das grandes empresas privadas, tratam os meninos pobres do Brasil – a grande maioria da infância e da juventude, a maioria da população brasileira. Trata-se de desatar uma guerra aberta, agora com cobertura legal, contra os meninos e jovens pobres. De usar o aparelho legal, além do policial, para condena-los às sórdidas prisões, pelas quais nenhum desses deputados se interessa – porque não são filhos dos seus eleitores, nem parentes dos seus financiadores.
 
Os meninos e jovens pobres não suscitam atenção e preocupação da grande maioria das elites políticas, apoiadas numa opinião pública envenenada pela manipulação da mídia privada. Suscitam posturas de encerramento nas masmorras, das quais só sairão, se saírem, diplomados pelo crime organizado. Porque nem o Judiciário se ocupa de que a função oficial de recuperação social seja minimamente cumprida. A condenação às prisões é a condenação à morte social. A isso querem condenar agora também os jovens de entre 16 e 18 anos.
 
A forma como uma sociedade trata dos meninos e dos jovens é a forma como pensa seu futuro. Neste caso, se está excluindo a grande maioria do futuro, reservado apenas aos que se deixam levar pela mentalidade de ódio e de guerra contra os meninos e os jovens pobres do Brasil.
 

sábado, 20 de junho de 2015

CRISE: SERVIDORES DE ANGRA DOS REIS

Servidores oferecem contraproposta à prefeitura

Funcionalismo delibera em assembleia pela reposição de 7, 68% parcelado em quatro vezes, a partir de setembro; vereadores demonstram apoio ao índice proposto pelos servidores

Em assembleia realizada anteontem, 17 de junho, no Clube Comercial, os servidores aprovaram uma contraproposta para a Prefeitura de Angra, em relação ao reajuste oferecido pelo governo durante audiência de conciliação, de 3%, parcelado em três vezes. Eles querem a reposição salarial de 7, 68%, parcelada em quatro vezes, a partir de setembro – retroativo a março –, além da garantia de não haver corte do ponto dos servidores que participaram da greve.

O evento foi organizado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Angra dos Reis (SINSPMAR), a partir das 17h30. Mais de 200 servidores participaram da assembleia, que também serviu para que os diretores do sindicato explicassem ao funcionalismo como se deu a audiência de conciliação no Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), no dia anterior.

A presidente do SINSPMAR, Ana Maria Bezerra Barbosa, abriu a assembleia lendo assentada da audiência, uma espécie de resumo do que foi debatido durante a reunião no Rio de Janeiro. “Ao final, afirmamos ao juiz que levaríamos a proposta feita pela prefeitura à assembleia, já que ela não chegou ao nosso conhecimento com antecedência”, informou a presidente do SINSPMAR.

Após as explanações iniciais, os servidores tiveram espaço para tecer seus comentários, críticas e sugestões. Os diretores do SINSPMAR também responderam aos questionamentos efetuados pelos servidores. Ao final da assembleia, os servidores votaram por uma contraproposta em relação ao que foi oferecido pela prefeitura durante a audiência de conciliação. O funcionalismo deliberou pelo reajuste salarial de 7, 68%, em quatro parcelas – 1% em setembro, 2% em outubro, 2% em novembro e 2, 68% em dezembro –, retroativo a março, além de ter a garantia de que o ponto dos grevistas não será cortado e de que o pagamento voltará a ser pago na data correta, conforme a Lei Orgânica Municipal.

Nesta quinta-feira, 18 de junho, os servidores participaram ativamente da sessão ordinária da câmara dos vereadores. Lá, eles transmitiram as novidades à população e pediram apoio aos vereadores, em relação à contraproposta deliberada em assembleia. Os vereadores se prontificaram a apoiar os servidores, inclusive, tentando conseguir uma reunião a prefeita ainda na quinta-feira, mas o que aconteceu foi um encontro entre os diretores do SINSPMAR e do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), integrantes da comissão de greve e o secretário de Governo, Robson Marques, às 18h.

Durante a reunião de aproximadamente uma hora, os diretores dos sindicatos e os servidores presentes tentaram mostrar ao secretário, através de dados e números, que o reajuste de 7, 68% é possível. Eles também afirmaram que estão à disposição para uma reunião de trabalho entre a prefeitura e os sindicatos, caso seja necessário apresentar ao governo como se chegou à conclusão de que o aumento é possível.

Robson Marques ouviu o que os servidores e membros dos sindicatos tinham a dizer. Mesmo assim, afirmou que, nesse momento, ela acredita que será muito difícil chegar ao reajuste proposto pelo funcionalismo. A próxima assembleia acontecerá na segunda-feira, 22 de junho, às 17h30, no Clube Comercial, no Centro. Antes disso, o SINSPMAR espera que o governo reúna sua equipe e chegue à conclusão de que a contraproposta dos servidores é justa, fundamental e possível.

quarta-feira, 3 de junho de 2015


SETOR METALÚRGICO

Acordo com a empresa BrasFels e trabalhador metalúrgico chega a 9%. O problema para passar na assembleia de amanhã é que a massa guerreira quer abono de R$ 1 mil no adiantamento, 12, a empresa oferece só R$ 500.